O jogo das caixas de fósforos

Empreendedorismo e emprego de migrantes

Objetivos

  •  - Abordar o tema da integração de imigrantes
  •  - Fazer com que os participantes sintam algumas das dificuldades que os(as) imigrantes enfrentam durante a sua integração num país de acolhimento
  •  - Perceber como as condições exteriores podem influenciar, quer de forma positiva quer negativa
  •  - Perceber a importância de ter um propósito claro
  •  - Desenvolver resiliência e determinação
  •  - Desenvolver competências de análise crítica
  •  

Aprendizagens esperadas

No final da sessão os(as) participantes estarão aptos(as) a perceber as dificuldades do processo de integração dos(as) imigrantes num país anfitrião e sentir empatia por quem se encontra nessa posição. Como esta sessão é baseada num Role Play, os(as) participantes irão desempenhar papéis específicos e sentirão na pele o que os(as) outros(as) sentem. Também é esperado que os(as) participantes percebam que fatores externos, como o ambiente, influenciam muito e que é importante ter em mente um objetivo claro e ser resiliente

 

Grupo-alvo

Todos os grupos/sociedade.

Adolescentes, jovens.

Número de participantes: 15 – 30

 

Complexidade

(1 - muito fácil, 5 - muito difícil)

 

Nível de experiência necessária- 3

Quantidade de trabalho necessário para preparar e implementar o cenário - 2

Custo estimado - 1

 

Duração

1h 30 min

Espaço

Uma sala grande com 2 espaços completamente separados; cadeiras (uma por pessoa) dispostas em forma de U; 2 mesas, dispostas em lados postos da sala; 2 cadeiras (uma por mesa)

 

Recursos

Flipchart ou quadro-negro; papel; marcadores; 40 caixas de fósforos de pequenas dimensões (4,5 cm x 3,5 cm x 1,5 cm) (estas dimensões são meramente indicativas); 2 vendas ou lenços para cobrir os olhos; cópia dos cartões de instrução para os(as) personagens principais (Anexos 1 e 3); cópia dos cartões de instrução para os(as) personagens secundários(as) (Anexos 2 e 4); relógio ou telemóvel com cronómetro e temporizador

 

Preparação

O(A) facilitador(a) deverá preparar o espaço: colocar uma mesa e uma cadeira de cada lado da sala, posicionar o flipchart ou quadro-negro de forma a que este esteja visível para todos(as). Deverá espalhar as caixas de fósforos em cada uma das mesas. Os 8 cartões de instrução deverão ser impressos previamente: os 2 cartões de instrução para os(as) “imigrantes” (Anexos 1 e 3) e os 6 cartões de instrução para (os)as personagens secundários(as) (Anexos 2 e 4)

 

Desenvolvimento

Introdução

Apresentação da sessão: facilitador(a), participantes, objetivos e sequência.

Breve explicação do Role Play: haverá 2 imigrantes que estão em processo de radicação num país anfitrião (15 min).

 

Atividades

Role Play “O jogo das caixas de fósforos” (30 min)

 

O(A) facilitador(a) explica os aspetos principais do jogo aos(às) participantes. Ele(a) diz-lhes que se trata de um  role play e que haverá 2 imigrantes em processo de radicação num país anfitrião. Ele(a) requisita 2 voluntários que não se importem de ter os olhos vendados durante um determinado período de tempo (5 min).

 

O(a) facilitador(a) dá um cartão de instruções a cada um(a) e pede-lhes que esperem fora da sala enquanto estudam o seu papel (10 min).

 

Entretanto, o(a) facilitador(a) explica aos(às) restantes participantes no que consiste o jogo:

- Cada um(a) dos(as) voluntários(as) que está lá fora é um(a) imigrante em processo de radicação num país anfitrião e cada um(a) deles terá que empilhar caixas de fósforos para formar uma torre. As caixas representam diferentes passos/aspetos da sua integração (trabalho, escola, família, dinheiro, comunicação na língua estrangeira, documentos oficiais, residência/casa, vizinhança, rede de suporte). Apesar de alguns destes aspetos serem mais importantes do que outros, todos eles são alicerces importantes e construir uma torre com estas caixas representa o seu sucesso no processo de integração. Cada um(a) dos(as) imigrantes tem que empilhar pelo menos 7 caixas de fósforos pois isso representa as condições básicas para que ele(a) fique no país. Apenas a partir da 7ª caixa (empilhada em torre) os(as) imigrantes podem ficar e iniciar uma vida. Cada caixa que ele(a) consiga empilhar na torre significa uma melhoria no seu processo de integração.

- Este jogo tem duas fases diferentes. Na primeira fase os(as) 2 voluntários(as)  irão fazer o exercício (previamente explicado) sozinhos(as), durante 10 min. e depois haverá uma segunda fase em que os(as) “imigrantes” repetirão o exercício mas, sem eles saberem, outros(as) personagens irão participar, representando diferentes papéis.

 

Depois o(a) facilitador(a) pede mais 6 voluntários e dá um cartão de instruções a cada um(a). Os(As) voluntários(as) têm de estudar o seu papel. Deverão preparar-se e aguardar para entrar no jogo apenas quando o(a) facilitador(a) os chamar. O(A) facilitador(a) diz-lhes que eles(as) irão interagir com os(as) imigrantes (3 com um e 3 com o outro) e falar de acordo com o seu/sua personagem (indicado no cartão de instrução) mas que em circunstância alguma podem tocar nos(as) imigrantes ou nos materiais (exceto se os(as) imigrantes lhes entregarem as caixas de fósforos).

 

Caso haja mais participantes, o(a) facilitador(a) pode dividir o grupo em 2 e pedir-lhes que sejam observadores, um grupo por cada mesa.

 

 

Fase 1

O(A) facilitador(a) chama os 2 voluntários(as) (imigrantes) para a sala e encaminha cada um(a)  para uma mesa. Explica-lhes que (de acordo com o que leram nos seus cartões) as caixas de fósforos espalhadas representam as bases necessárias para o seu processo de integração num país anfitrião e que eles(as) terão que empilhá-las numa torre (uma em cima de outra) de forma a conseguirem ter uma integração bem-sucedida e uma vida no país. Enfatiza que eles(as) terão que empilhar no mínimo 7 caixas, mas que podem empilhar muitas mais, e que por cada caixa que coloquem na torre significa que se estão a integrar cada vez melhor. Explica ainda que durante este processo (empilhar as caixas de fósforos) eles(as) estarão com os olhos vendados, que apenas poderão usar a mão não-dominante e que terão 8 min para o fazer.

O(A) facilitador(a) deve pedir aos(às) imigrantes que estabeleçam o número que pensam conseguir atingir. Eles(as) definem os seus objetivos. No flipchart/quadro, o facilitador(a) desenha 2 colunas (com os nomes dos(as) personagens que estão  a jogar) e duas linhas (uma para os resultados esperados e outra para os resultados conseguidos) e anota os números (resultados esperados) de cada imigrante.

Então o(a) facilitador(a) cobre os olhos dos(as) imigrantes com a venda e começa o exercício.

Quando o tempo acabar, o(a) facilitador(a) pede-lhes que parem e não façam mais nenhum movimento. Retira-lhes a venda, conta as caixas de fósforos empilhadas e anota os números no flipchart/quadro (8 min).

Nesta altura, informa os(as) imigrantes que terão uma segunda oportunidade para melhorarem os seus resultados. Explica que a primeira vez foi um teste piloto, onde eles puderam experimentar como é trabalhar com os olhos vendados e com a sua mão não-dominante, e que agora terão uma segunda oportunidade e também mais tempo, terão 12 min.

O(A) facilitador(a) desenha uma 2ª grelha para a segunda oportunidade e anota o número que os(as) imigrantes transmitem. Cobre-lhes novamente os olhos e o jogo começa.

 

Fase 2

Durante os primeiros 2 min o jogo prossegue como na primeira fase, nada de diferente acontece. Mas depois disso, o(a) facilitador(a) escolhe 2 personagens e coloca-os em frente às mesas do/a imigrantes (um em cada uma).

Cada um deles representará o seu papel. Ele(a) terá de fazer o(a) imigrante perceber o seu objetivo, agindo e falando de acordo com o(a) seu(sua) personagem (cartão de instruções).

O(A) facilitador(a) escolhe então outros(as) personagens, um por um, mas dando-lhes tempo suficiente entre eles de forma a que os(as) imigrantes (que estão de olhos vendados) tomem consciência dos(as) diferentes personagens à sua volta e dos diferentes papéis, comportamentos, pedidos, orientações. É importante que os(as) imigrantes se apercebam de que há uns(umas) que estão a tentar ajudá-los(as), outros(as) que não, e que há ainda outros(as) que lhes dão orientações contraditórias (12 min).

Quando o tempo terminar, o(a) facilitador(a) pede a todos(as) os(as) participantes que parem e não façam mais nenhum movimento. Retira a venda aos(às) imigrantes, conta as caixas de fósforos empilhadas e anota os números no flipchart/quadro. Compara então os resultados entre os 2 imigrantes e entre as duas fases, declara um vencedor em cada uma delas e convida os(as) participantes a retomarem os seus lugares para o debriefing (5 min).

 

 

Debriefing

No debriefing o(a) facilitador(a) deve dirigir-se primeiro aos(às)  imigrantes, depois aos(às) outros(as) personagens e, por fim, aos observadores (30 min).

 

Perguntas para os(as) Imigrantes:

Acerca da 1ª fase:

- Foi difícil?

- Tinham uma estratégia para atingirem os vossos objetivos?

-  O que é que vos ajudou e o que é que vos prejudicou?

- O tempo foi suficiente?

- O que é que sentiram quando souberam que iria haver uma segunda oportunidade?

- O que é que sentiram acerca de estarem vendados/ não poderem usar a vossa mão-dominante?

- O que é que sentiram quando souberam que iria haver uma segunda oportunidade?

Acerca da 2ª fase:

- Sentiram-se mais confiantes do que durante a 1ª fase?

- O que é que sentiram quando perceberam que as regras do jogo tinham sido alteradas (pessoas à volta)?

   - Tiveram perceção do que eles queriam? Ajudaram-vos durante a vossa tarefa ou não?

 

Perguntas para os(as) outros(as) personagens (dirigir as mesmas perguntas a cada um deles):

- Qual foi o teu papel? (Ajudar o imigrante, dificultar a sua vida)

- Como é que te sentiste nesse papel? (bem, mal, assim-assim)

   - Foi difícil ou fácil desempenhar esse papel? Como é que lidaste com isso?

 

Perguntas para os(as) observadores(as):

Na 1ª fase:

- Como estava o(a) imigrante? Confiante ou receoso(a)? Entusiasmado(a)/cético(a)? Focado(a) ou disperso(a)?

E na 2ª fase, depois de terem entrado os(as) outros(as) personagens:

- O(A) imigrante continuou motivado(a) ou ficou com vontade de desistir? Mostrou desespero, raiva? Estava calmo(a)/nervoso(a)?

- Ele/ela conseguiu atingir os seus objetivos? O que é que o ajudou? O que é que o(a) prejudicou?

   - E os(as) personagens seguiram o seu papel até ao fim ou modificaram o seu comportamento?

 

Dicas para reflexão/Paralelismo com a realidade:

- Já alguma vez os(as) participantes (os imigrantes e os outros personagens) estiveram numa situação em que sentiram o mesmo (onde os “fatores externos” os ajudaram ou prejudicaram)?

- Conhecem algum imigrante que tenha passado por situações difíceis quando chegou ao país anfitrião? Como é que ele/ela geriram a situação?

- Acham que eles(as) se podem sentir “de olhos fechados” e “incapacitados(as)” (não serem capazes de usar a sua mão-dominante)?

- Já alguma vez estiveram na situação dos personagens anfitriões (pessoas locais que recebem imigrantes)?

   - O que é que pode ser feito para ajudar os(as) imigrantes?

 

Instrumentos de apoio

Método de avaliação: Os 5 dedos da mão (15 min)

− Polegar: O que é que considerei positivo?

− Indicador: O que é que tenho a apontar (positivo ou negativo)?

− Dedo do meio: O que é que considerei negativo?

− Anelar: como foi a minha relação com o grupo de participantes?

− Mindinho: o que é que foi insuficiente?

 

Inspiração

Martins, A., et all. (2008). Clube Mais – Educação para o Empreendedorismo. 1ª Edição Moura. Fundado pela Iniciativa Equal. Disponível em: http://adcmoura.pt/start/start_home.html

 

Ideias para ação

Para pequenos grupos o Role Play pode ser feito apenas com um imigrante e 3 personagens. O papel dos personagens pode ser modificado de forma a responder a objetivos específicos da sessão.

Este role play também pode ser feito para realçar os obstáculos que surgem quando se lança um negócio, em geral, independentemente das dificuldades adicionais dos imigrantes, e pode fazer parte de um programa de formação em competências empreendedoras.

 

ANEXOS

Anexo 1: Cartão de Instruções para a Ilyna

Anexo 2: Cartão de Instruções para a mesa da Ilyna

Anexo 3: Cartão de Instruções para o Mohammed

Anexo 4: Cartão de Instruções para a mesa do Mohammed

 

 por Make it Better

ITE

 

 

 

Social-educational initiative centre PLUS

sei.plius@gmail.com

Make it Better

info@mibworld.org

Ecos do Sur

ong@ecosdosur.org

 

 

 

The European Commission support for the production of this publication does not constitute an endorsement of the contents which reflects the views only of the authors, and the Commission cannot be held responsi¬ble for any use which may be made of the information contained therein.

 

© Copyright 2017-18 Wszystkie prawa zastrzeżone.