Isto são apenas rumores, ou não?- As histórias mais contadas sobre migrantes

 

Mitos e factos sobre a imigração

Objetivos

O grupo deverá ser capaz de:

- Analisar e compreender os efeitos dos problemas inerentes aos mitos e boatos criados a nível local, nacional e global, quer pela comunicação social quer pelas redes sociais virtuais no que se refere ao tema da imigração, migrantes e refugiados(as)

- Reconhecer as histórias (boates e mitos) mais conhecidas em torno do tema da migração

  -  Gerar soluções e reações que reduzam ou evitem a propagação de mitos e que aumentem o acesso a informação verdadeira no que respeita ao tema da imigração e dos refugiados

 

Aprendizagens esperadas

Após a sessão, os(as) participantes deverão aprender a reconhecer os elementos que caracterizam um boato ou um mito, desenvolver o espírito crítico relativamente ao tema da imigração e aprender os efeitos que têm os boatos e os mitos sobre a população imigrante e refugiada

 

Grupo-alvo

Pessoas com idade superior a 18 anos, de qualquer contexto socio-económico ou cultural

Nº de participantes: 12 a 28 pessoas

 

Complexidade

(1 - muito fácil, 5 - muito difícil)

Grau de experiência necessária - 3

Quantidade de trabalho necessário para preparar e implementar o cenário - 3

Tempo necessário para preparar e implementar o cenário - 3

 

Duração

2 h 30 min (com 2 pausas de 10 min cada)

Espaço

Sala com capacidade para 25 a 30 pessoas com cadeiras suficientes para o total de participantes organizadas em U em volta do video-projetor. No momento da formação dos grupos de trabalho estes deverão ter espaço suficiente entre si, de forma a proporcionar maior concentração, capacidade de escuta e análise

 

Recursos

Projetor de slides e tela; flipchart e marcadores; Folhas de flipchart e marcadores; folhas com recortes; folhas com a característica dos mitos e boatos com uma breve descrição

 

Preparação

O(a) facilitator(a) prepara, no flipchart, as questões previamente para a atividade 1. Antes do plenário, os slides com os artigos analisados também dvem ser preparados.

O formato de avaliação da sessão é elaborado pelo(a) facilitador(a), de acordo com critérios como: nível de dificuldade das atividades, tema, gestão do tema pelos(as) facilitadores(as) e metodologia.

Para realizar a atividade “Questionário sobre refugiados e migrantes”, o(a) facilitador(a) poderá convidar para a sessão um imigrante ou refugiado ou requerente de asilo, residente na comunidade local há 1 ano ou mais, a fim de ajudar o grupo a abordar a realidade, fornecendo factos reais que permitam desconstruir os boatos e mitos. É necessário informar previamente o(a) convidado(a) sobre as perguntas que serão feitas na atividade do quiz, sobre o tempo e a metodologia a ser utilizada, para que ele(a) possa preparar-se com antecedência.

 

Desenvolvimento

Introdução

O(a) facilitador(a) começa por se apresentar e pede a cada participante que se apresente dizendo apenas o nome dele(a). Dá aos(às) participantes uma fita de papel e marcador para escreverem os seus nomes e colá-los num lugar visível da blusa.

De seguida explica o objetivo da sessão e menciona as atividades de acordo com a ordem estruturada e o tempo exato estipulado para a sessão. (10 min)

 

Atividades

Apresentação do tema (20 min)

O(A) facilitador(a) dá as informações sobre o tema da migração e imigrantes que têm aparecido nos meios de comunicação social (televisão, jornais, rádio, etc.) e redes sociais (Facebook, Twitter, etc.) e pergunta aos(às) participantes se as têm visto, onde,  o que lêem e qual a reação deles(as) a essa informação. Partilharam ou disseram a outras pessoas sobre isso?

De seguida, apresenta a próxima atividade, durante a qual os(as)  participantes devem se organizar em grupos de 4. Nesta fase prepara as cadeiras para o trabalho em grupo, de forma a estarem separados(as) uns dos outros, para que a concentração e a escuta não sejam afetadas.

 

Atividade de grupo 1 – “São boatos, ou não?” (20 min)

O(a) facilitador(a) distribui a cada grupo uma folha com o recorte de jornal de um artigo relativo à questão da migração ou migrantes e refugiados (ver exemplos no Anexo 1-5). Quando cada grupo tiver a cópia, explica que os(as) participantes devem primeiro ler o artigo e depois, em grupo, analisá-lo e responder às seguintes perguntas (estas perguntas devem ser escritas previamente na folha de flipchart e organizadas de forma visível para que todos leiam):

- É um boato ou não? Por que considera a informação um boato ou um facto?

- Tem alguma referência sobre este jornal ou revista? O que sabe sobre isso?

- Partilharia este artigo ou informações com pessoas que conhece?

- Como acha que um(a) migrante ou refugiado(a) poderia reagir se o lesse?

No final da análise, solicita a cada grupo  que partilhe as suas conclusões e reflexões com os(as) restantes participantes. O(a) facilitador(a) observa os principais aspetos do flipchart.

Pausa (10 min)

 

Projeção dos slides (10 min)

O(a) facilitador(a) apresenta os slides  com os esquemas referentes a este tópico, os quais deverão ser breves e explicados com clareza (Anexo 6)

 

Atividade de grupo 2 - “Que boato!” (10 min)

O(A) facilitador pede aos(às) participantes (nos mesmos grupos) que identifiquem e analisem no artigo as características dos mitos e boatos. Cada grupo recebe uma folha com os elementos dos mitos e boatos (Slides 8 e 9).

 

 

Plenário – Análise e comentários (20 min)

Em plenário, cada grupo partilha com os outros as reflexões mais importantes. Enquanto isso, o(a) facilitador(a) mostra os artigos sobre os slides para observação por parte de todos os grupos.

 

Pausa (10 min)

 

Actividade 3 – “Questionário sobre refugiados e migrantes” (30 min)

A fim de desconstruir os mitos e boatos mais contados sobre os migrantes, os(as) participantes têm a oportunidade de resolver as suas dúvidas e preocupações através da participação de um migrante, que, em primeira mão, responderá aos(às) participatnes com base na sua própria experiência. Esta atividade ajuda a ter contato direto com um “personagem das lendas”(pessoa convidada, que vem da comunidade local de migrantes ou refugiados). O(a) facilitador(a) faz uma rodada de perguntas e respostas. As perguntas são as seguintes (3 min para responder a cada pergunta):

O que você acha...:

- Há mais crimes e agressões sexuais nesta cidade ou no país, devido à chegada de migrantes e refugiados?

- Os imigrantes estão a roubar os empregos dos nacionais?

- Todos os refugiados são pessoas com pouca formação ou sem educação superior?

- A imigração é um problema para o país ou comunidade que os recebe?

- A imigração pode acabar com a cultura nativa do país anfitrião?

O convidado responde a essas perguntas focando-se em factos da sua própria experiência e/ou de amigos(as). Se necessário, o(a) facilitador(a) pode fornecer apoio ao grupo e ao(à) convidado(a), facilitando a comunicação entre eles, especialmente, se surgirem problemas de linguagem.

 

Debriefing

Recapitulação breve pelo(a) facilitador(a) (10 min)

O(a) facilitador(a) apresenta algumas propostas de soluções sobre como reagir a um mito ou boato e como evitar a disseminação do mesmo. Pergunta também aos(às) participantes o que pensam fazer a partir de agora, quando se deparam com um novo artigo ou título como os que analisaram, e como será a reação a partir de agora.

Pode também sugerir que os(as) participantes consultem um site especializado em verificar boatos e notícias falsas como o Snopes.com, ThoughtCo.,  FactCheck.org ou o B.S. Detector, e pesquisem na Internet (ou criem) aplicativos ou extensões de navegador que alertam automaticamente caso algumas informações ou sites acedidos sejam duvidosos ou falsos.

 

Avaliação da sessão  (5 min)

O(a) facilitator(a) entrega a cada participante uma folha de avaliação da atividade para que a completem (recomendado).

 

Instrumentos de apoio

Folhas para a Atividade 1 com recortes (podem ser encontradas nos sites, material jornalístico relacionado nacional ou local e de acordo com as necessidades linguísticas do grupo) e slides.

Folhas com as características de comunicação com uma breve descrição dos slides para a projeção.

 

Inspiração

Palestra “Por trás das manchetes: investigando os impulsionadores e os impactos da migração global” do professor Hein de Haas, da Universidade de Amsterdã, especializado em migração e coesão social, convidado pela Oxford Martin School. 10 de novembro de 2015.

YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=0CGtgCayVM8

Concelho Europeu. Programa Intercultural de Cidades. Anti-boatos da Web: http://www.coe.int/en/web/interculturalcities/anti-rumours

8 Websites e utilidades para identificar boatos e notícias falsas: https://www.julianmarquina.es/8-sitios-web-y-utilidades-para-cazar-bulos-y-fake-news/

Obtenha os seus factos corretamente - 6 sites de verificação de factos que o ajudam a conhecer a verdade:

https://www.technorms.com/454/get-your-facts-right-6-fact-checking-websites-that-help-you-know-the-truth

 Websites de verificação de fatos sobre religião, fraudes por email, fraudes e mitos urbanos: http://www.snopes.com/

ThoughtCo .: Fakes, rumours and hoaxes: :  https://www.thoughtco.com/boatos-and-hoaxes-4132592

FactCheck.org: Um projeto do Annenberg Public Policy Center: http://www.factcheck.org/

 

Ideias para ação

A sessão pode ser implementada em escolas secundárias, mas é importante reduzir o tempo de duração. Inclusive, podem-se incluir os mitos e boatos contemporâneos espalhados pela imprensa local e nacional

 

ANEXOS

Anexo 1-5: Recorte de imprensa em diferentes idiomas

Anexo 6:  Slides sobre boatos

​ 

 

Criado por IRSE

ITE

 

 

 

Social-educational initiative centre PLUS

sei.plius@gmail.com

Make it Better

info@mibworld.org

Ecos do Sur

ong@ecosdosur.org

 

 

 

The European Commission support for the production of this publication does not constitute an endorsement of the contents which reflects the views only of the authors, and the Commission cannot be held responsi¬ble for any use which may be made of the information contained therein.

 

© Copyright 2017-18 Wszystkie prawa zastrzeżone.